Make your own free website on Tripod.com

A História da Igreja

Quarto Século

Home | Primeiro Século | Segundo Século | Terceiro Século | Quarto Século | Quinto Século | Século Sexto | Setimo Século | Oitavo Século | Novo Século | Décimo Século | Décimo-Primeiro Século | Décimo-Terceiro Século | Décimo-Quarto Século | Décimo-Quinto Século | Décimo-Sexto Século | Décimo-Sétimo Século | Décimo-Oitavo Século | Décimo-Nono Século | Vigéssimo Seculo

De Igreja perseguida à Igreja preseguidora. O cânon do Novo Testamento é confirmado. Os primeiros grandes concílios. O aparecimento dos Historiadores da Igreja. A influência de Augustine Hippo.

  • O século quarto, assim como o século dezesseis, e talvez o século vinte, é um daqueles períodos na história da Igreja quando mudanças repentinas tomam lugar como a chama-piloto para uma nova direção para o povo de Deus.
  • Esse século foi testemunha de grandes mudanças e transições no relacionamento da Igreja com o Estado e com a sociedade. Aqui vai uma lista de seis mudanças:
    1. O Império Romano persegue a Igreja – no começo do século a Igreja passou pela “Grande Perseguição” – a última e a pior de todas. Essa foi instituída pelo imperador Dioclesius (Diocésio) em 305 DC, com a intenção de acabar com a Igreja. A perseguição falhou.
    2. O Império tolera a Igreja – O imperador Constantino professa o Cristianismo, e à Igreja é dada o status de legalidade. De vez em quando você ouvirá dizer que Constantino fez do Cristianismo a religião oficial do Império Romano. Ele não fez isso. Mas ele restaurou as perdas que a Igreja teve durante os séculos passados. E também deu a ela um tratamento favorável como uma das muitas religiões toleradas pelo império.
    3. O Império Romano desafia a Igreja – O Paganismo não cederia sem lutar. O imperador Juliano (361-363) tenta, sem sucesso, o resstabelecimento do Paganismo.
    4. O Império Romano adota a Igreja – O Cristianismo foi oficialmente declarado como a religião do estado (Império Romano) sob o imperador Teodisius (Teodísio) IX, no ano 381.
    5. A Igreja desafia ao Império Romano – O Bispo Ambrosius (Ambrósio), de Milão, numa dramática confrontação (que, por séculos, era uma sombra sobre a corrida da igreja-estado para uma posição definitiva), desafiou o imperador romano.
    6. A Igreja persegue seus oponentes – Ela começou nesse século como uma minoria perseguida. No final do mesmo a Igreja perseguida se transformou na Igreja perseguidora. Os seus motivos faziam sentido. Ela se viu combatendo heresias, falsa religiosidade e as forças do mal. Na verdade, em muitos caminhos, ela era uma Igreja diferente num mundo diferente no final desse século.
  • O cânon do Novo Testamento é confirmado. Isso aconteceu na Páscoa do ano 367, depois de uma carta de Anastasius (Anastásio), e depois dos Concílios de 382 e 397. Os concílios deram o reconhecimento final à matéria. Entretanto, as Escrituras cristãs não foram criadas quando do reconhecimento dos concílios; foi-se confirmado o que já se era geralmente reconhecido e aceito.
  • Milhões de novos membros entram para a Igreja. Tornar-se cristão não é mais um risco, mas pode ser política e socialmente oportuno. Assim, a Igreja tem que tratar com a nova morbidez nos princípios de crença e atitudes dos novos membros.
  • A Igreja perseguida se torna na Igreja perseguidora. Pelo final desse século, a Igreja que por tanto tempo suportou perseguições como uma fé minoritária, agora se torna a perseguidora.
  • Os concílios mais importantes – A Igreja agora necessita esclarecer e definir o que ela crê. Foi requerido um tempo bem longo para entender e explicar a pessoa e a natureza de Cristo. Foi sob o Imperador Constantino que o primeiro mais importante concílio aconteceu em Nicéia (atualmente Turquia), em 325. O segundo concílio mais importante da época se deu em Constantinopla, em 381.
  • Os Donatistas surgem em 311 – Assim que a Igreja alcança um estado de tolerança uma severa ruptura acontece no Norte da África, onde a Igreja era bem forte. Essa ruptura permaneceu por trezentos anos. O que tinha sido um forte centro da Igreja é agora tão fraco que eventualmente é perdido.
  • Importante Avanço Missionário acontece quando Ufilias leva o Evangelho para os Bárbaros Godos no meio desse século.
  • Os prédios da Igreja são erguidos em toda parte – depois da legalização a Igreja cresce no mercado imobiliário. Por vezes grandes basílicas são construídas no lugar onde anteriormente haviam templos pagãos.
  • A Capital do Império Romano muda-se para Constantinopla – Em 324 essa cidade é fundada.; e é dedicada em 11 de maio de 330. Roma já não é mais o centro do Império. A Igreja começa a assumir o lugar vazio da mudança.
  • A obra de Eusébio A História da Igreja – O Bispo Eusebius (Eusébio) de Cesaréia torna-se o primeiro importante historiador da Igreja e nos passa um legado de documentos da igreja antiga que não tem precedentes.
  • Agostini (Agostinho) converte em 386. Ele passaria a ser um dos mais importantes teólogos em toda a história da Igreja.

ANO 400: DOZE GERAÇÕES DEPOIS DE CRISTO
Percentagem de cristãos: 18.6%
Raças na Igreja: Outras: 64%; Branca: 36%
Evangelização: 39% do mundo
Escrituras: 11 idiomas
Total de mártires desde o ano 33 DC: 1.950.000 (1.0% de todos os cristãos; 5,310 por ano)
Fonte: David Barrett