Make your own free website on Tripod.com

A História da Igreja

Décimo-Sexto Século
Home | Primeiro Século | Segundo Século | Terceiro Século | Quarto Século | Quinto Século | Século Sexto | Setimo Século | Oitavo Século | Novo Século | Décimo Século | Décimo-Primeiro Século | Décimo-Terceiro Século | Décimo-Quarto Século | Décimo-Quinto Século | Décimo-Sexto Século | Décimo-Sétimo Século | Décimo-Oitavo Século | Décimo-Nono Século | Vigéssimo Seculo

Explosão de uma nova Arte Cristã. Bíblias impressas. Luther (Lutero). A Reforma Protestante. Calvin (Calvino). Os Jesuítas.

  • Nesse século de transformações alguns fatos falaram mais alto do que outros.
  • As Noventa e Cinco teses de Lutero (1517) não foram o início da Reforma Protestante, mas a culminância da cumulação de muitos pensamentos gerados em todas as partes e por muitas geraçãoes.
  • Não houve uma reforma, mas várias. Luther (Lutero), Zwingli (Zuínglio), Calvin (Calvino), Tyndale, os Anabatistas e outros foram centros distintos de desenvolvimento dinânmico e revigoração espiritual.
  • A disciplina intelectual da maioria dos reformadores era prodigiosa. Tais líderes foram, quase na sua totalidade, escolásticos devotos e cuidadosos.
  • Nós conhecemos os grandes nomes dos movimentos reformados, mas todos eles tiveram um círculo de colegas e confidentes com os quais eles discutiram, debateram, agonizaram e oraram. Lutero tinha o seu Melanchton. Zuínglio tinha o seu Bullinger. Calvino tinha o seu Farell. Tyndale tinha o seu Frith.
  • Os grandes eventos da Reforma tiveram lugar em localidades que nem sempre eram nos grandes centros. A cidade de Wittenberg, onde Lutero afixou as suas Noventa e Cinco teses na porta da Igreja, não era nem um pouco comparada com Roma. Até o dia de hoje é tão pequena que não existe hotel. A acidade de Genebra, no tempo de Calvino, não era uma cidade internacional como o é hoje. Ela se tornou assim devido ao que ele fez lá. – Ken Curtis.
  • A impressão de livros, que começou no século anterior a este agora se desenvolve sem problemas, propulsando o espalhar da reforma.
  • Micheangelo, Albrecht Durer, Raphael e Lucius (Lúcio) Cranack criam arte com temas bíblicos.
  • 1517 – Martin (Martinho Lutero) Luther afixa as suas Noventa e Cinco Teses na porta da Capela de Wittenberg, onde era sacerdote. Tais teses levam a Alemanaha e a Europa a tomar posicões pró ou contra em cerca de meses.
  • As Escrituras se tornam mais acessíveis à pessoa comum depois que Lutero as traduz para o Alemão e Tyndale para o Inglês, no decênio de 1520.
  • A Reforma Protestante se espalha por toda a Europa com Zuínglio na Suíssa, com os Anabatistas na Europa Central e com John (João) Knox na Escócia. Por questão de segurança da sua dinastia, o rei Henry (Henrique VIII) separa-se de Roma e estabelece a si mesmo como o cabeça da Igreja da Inglaterra. O ministério de João Calvino em Genebra e a edição das suas Institutas (A Instituição da religião Cristã) faz com que haja um reexame teológico das Escrituras e da sociedade.
  • A Contra-Reforma defende o Catolicismo tradicional contra as idéias da reforma. O Concílio de Trento (1545-1563) reafirma a doutrina católica. A Ordem dos Jesuítas torna-se a defensora da fe católica e começa a enviar missionários para todos os lados.
  • As convicções religiosas produzem mártires entre os Católicos e Protestantes – Sir Thomas More, William Tyndale e Thomas Cranmer, entre muitos, são executados. Os Huguenotes, na França, começam a ser perseguidos. O Livro dos Mártires de Fox (atualmente entitulado Atos e Monumentos) fala das perseguições que crentes em Cristo tiveram que suportar através dos séculos.
  • Os Puritanos, na Inglaterra, começam a dar forma a igreja para esta estar mais próxima às Escrituras.

ANO MIL E SEISCENTOS: CINQUENTA E DUAS GERAÇÕES DEPOIS DE CRISTO
Percetagem de cristãos: 18.9%
Raças na Igreja: Outras: 14; Branca: 86%
Evangelização: 23% do mundo
Escrituras: 36 idiomas – todas impressas
Fonte: David Barrett


Enter supporting content here